segunda-feira, 22 de maio de 2017

Como Não Fazer Amigos, Não Pegar Gatinhas e Não Influenciar Pessoas

Como alguns adolescentes, aos treze anos eu era inseguro e assombrado pela interação social. Mas com o terrível acréscimo de que era um ‘nerd’: adorava quadrinhos de super-herois musculosos, revistas e programas de animes com japinhas gostosas, desenhos, filmes da Sessão da Tarde, do Cinema em Casa, Cine Band Privê e, muitas, muitas punhetas pela madrugada afora.
Tudo isso coisas que não me aproximavam nem das gatinhas nem da estima alheia.

A stranger in a strange land.

A moda na época era fazer cursinhos, e o Inglês era a bola da vez. Sorteado, caí de paraquedas no cursinho gratuito do município.vEu detestava o idioma gringo, principalmente por conta de dificuldades na pronúncia. ‘Strawberry’ — Oh, céus! — como querem que eu fale esse treco? A possibilidade de ser zoado por mais uma inadequação me era quase tão assustadora quanto o apocalipse cristão.

Pouco importava. Quem mandava em casa era o coroa. Lembram da ‘vondade geral’ de Rosseau? Era a vontade do meu pai.

No primeiro dia de aula, várias mulheres na turma. A maioria mais velhas que eu, o que achava menos pior. Na cadeira ao lado, Fernando, o garanhão da minha rua (‘Fernandinho’ para as meninas que, como a minha irmã, caiam babando por ele), meu completo antípoda: falso cristão, falso ‘cara legal’, sucesso com as mulheres, muito prestígio social (sei disso por que depois viramos amigos).
E eu lá, ‘o carinha esquisito’, torcendo pra aula acabar antes que fizesse alguma vergonha.

Mas quem disse que a vida é fácil? Não dei sorte; a teacher pediu que nos apresentássemos, começando por “hi, my name is… “ e depois seguindo no idioma de Camões.

Enquanto os outros falavam, eu transpirava, nervoso. “Por que senhor ? Por quê ? Não tenho sido um bom cristão ? Tudo bem, eu prometo que paro de ver putaria, prometo!”

Era uma prova, pensei. Eu tinha que passar. Se quisesse ser pregador, teria que aprender a falar em público um dia. O dia chegara.

Enfim, aceitei meu destino, encarando o desafio com resignação e coragem.

Chegada minha vez, fui confiante. Como todos antes de mim, levantei e falei.
Mal abri a boca e, em uníssono, todos gargalharam.

Demorei alguns minutos para perceber: eu falara ‘Hall’ ao invés de ‘Hi’. Com isso, entregara-lhes precisamente o que quis esconder; o fato de que eu era, naquela época e circunstâncias,
um completo bicho do mato,

comunicando-me tal qual um selvagem:

“Hall”

Nenhum comentário:

Postar um comentário